Tiara

05:40:00

Hello snapchatters!

Em clima de casamento real, resolvi trazer pra vocês hoje a história por trás das tiaras, que começou sua trajetória lá no Antigo Egito, quando as princesas usavam fios de ouro e prata em pequenos arcos para enfeitar a cabeça e homenagear as formas da natureza.


Na Grécia e na Roma, elas eram simples fitas que ficavam na testa ou na cabeça, e utilizadas tanto por homens, como por mulheres, e os mais nobres já ornavam com esmeraldas e pedras preciosas.
Em algumas culturas, a tiara era feita com folhas de louro e eram dadas aos vencedores nos esportes, generais e governantes, representando o poder absoluto.



Alguns séculos depois foi que o acessório tomou forma e ganhou força, tornando-as magníficas e glamurosas durante a aristocracia europeia principalmente, com joias extravagantes e exclusivas para as mulheres de alto escalão da sociedade.
Atualmente, a tiara é vista em todo tipo de público, de várias classes sociais e gêneros, mas ainda é considerada um dos principais adornos nas classes mais altas da Europa, e também na realeza.



A tiara é um grande aliado para diversificar nos looks e penteados, tanto para o dia a dia com os modelos mais neutros, sem muitos detalhes e mais tradicionais, como para noite com os modelos ousados, com spikes, bordados e brilhos.


Voltando ao começo deste post, que coisa mais linda a tiara usada pela Meghan no casamento real, né? Ela foi feita em 1932 para a rainha Mary de Teck, e hoje pertence a maravilhosa e rainha (de verdade) Elizabeth II. Não bastava a (agora) duquesa usar um vestido Givenchy, ela tinha que usar uma tiara à altura do evento! 


Eu particularmente adoro tiara, tenho vários modelos: arquinho de pérolas, headbands coloridos, tiaras de veludo para o inverno, até uns restos de tecido que uso de tiara, além daquelas florzinhas lindas que vemos pela rua e colocamos na orelha, que fica uma graciinha.


Espero que tenham gostado!

xoxo

You Might Also Like

0 comentários